TÉCNICOS EM FARMÁCIA: TRAJETÓRIAS FORMATIVAS DE EGRESSOS DO CURSO TÉCNICO DE NÍVEL MÉDIO EM FARMÁCIA

Sebastião Gonçalves de Barros Neto, Alexandre Jacob

Resumo


RESUMO

A pesquisa propõe-se analisar as trajetórias formativas dos Técnicos em Farmácia, egressos dos Cursos Técnicos de Nível Médio em Farmácia, pois, ao passo que se reconhece a Farmácia como promotora de saúde, entende-se que seus recursos humanos devem possuir educação formal específica, regulamentação ocupacional e profissional, registro e exercício profissional fiscalizado por órgão competente. Para concretizar a investigação, utilizou-se o estudo de campo descritivo de desenho —natureza qualitativa online (por intermédio da internet) —, com entrevistas assíncronas, realizadas por questionário semiestruturado enviado por e-mail para obtenção das histórias de vida (ou biografias). As narrativas das histórias formativas de vida dos profissionais de nível Técnico em Farmácia possibilitaram descrever, conhecer e problematizar o contexto da formação Técnica em Farmácia no Brasil e propor novos caminhos para a área Técnica em Farmácia Brasileira, em especial para a Educação Profissional e Tecnológica em Saúde.

 

Palavras-chave:Técnico em Farmácia. Educação Profissional em Saúde. Políticas Públicas. Assistência Farmacêutica. Método (auto) biográfico. 


Palavras-chave


Técnico em Farmácia. Educação Profissional em Saúde. Políticas Públicas. Assistência Farmacêutica. Método (auto) biográfico.

Texto completo:

PDF

Referências


REFERÊNCIAS

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011.

BARROS NETO, Sebastião Gonçalves de; CYSNEIROS, Roberta Monterazzo; BORGES, Luiz Henrique. Percepção do Farmacêutico sobre sua relação de trabalho com o Técnico em Farmácia: Integralidade no Cuidado a Saúde. In: CONGRESSO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA DO IFSP, 4., 2018, Araraquara. Anais... Araraquara: IFSP, 2018. p. 1-4.

BARROS NETO, Sebastião Gonçalves de. O cuidado farmacêutico no âmbito da atenção básica sob a ótica da integralidade. 2017. 168 f. Dissertação (Mestrado em Políticas Públicas e Desenvolvimento Local) – Escola Superior de Ciências da Santa Casa de Misericórdia de Vitória, Vitória, 2017.

BASTOS, Augusto Amorim; COSTA, Ediná Alves; CASTRO, Lia Lusitana Cardozo de. Trabalho em saúde: vigilância sanitária de farmácias no município de Salvador (Bahia, Brasil). Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 16, n. 5, p. 2397-400, 2011.

BEZZEGH, Nadine Judith; GOLDENBERG, Paulete. The challenge of responsible dispensing: formal education versus professional practice. Brazilian Journal of Pharmaceutical Sciences, v. 47, n. 1, p. 63-3, 2011.

BRASIL. Câmara dos Deputados. PL 668/2011. Regulamenta o exercício da profissão do Auxiliar de Farmácias e Drogarias. Disponível em: Acesso em: 11 jul. 2018.

BRASIL. Lei de 3 de outubro de 1832. Dá nova organização ás actuaes Academias Medico-cirurgicas das cidades do Rio de Janeiro, e Bahia. Disponível em: . Acesso: 20 out. 2018.

BRASIL. Lei n° 5.648, de 11 de dezembro de 1970. Cria o Instituto Nacional da Propriedade Industrial e dá outras providências. Diário Oficial da União, 1970. Disponível em: . Acesso em: 20 out. 2018.

BRASIL. Lei nº 13.021, de 8 de agosto de 2014. Dispõe sobre o exercício e a fiscalização das atividades farmacêuticas. Diário Oficial da União, Brasília, 11 ago. 2014. Disponível em: . Acesso em: 13 out. 2018.

BRASIL. Lei nº 5.991, de 17 de dezembro de 1973. Dispõe sobre o Controle Sanitário do Comércio de Drogas, Medicamentos, Insumos Farmacêuticos e Correlatos, e dá outras Providências. Brasília, 1973. Disponível em: . Acesso em: 5 dez. 2018.

BRASIL. Lei nº 3.820, de 11 de novembro de 1960. Cria o Conselho Federal e os Conselhos Regionais de Farmácia e dá outras providências. Diário Oficial da União. Brasília, 1960.

BRASIL. Ministério da Educação. Catálogo Nacional de Cursos Técnicos. Brasília, 2009a.

BRASIL. Ministério da Educação. Catálogo Nacional de Cursos Técnicos. 3. ed. Brasília, 2016.

BRASIL. Ministério da Saúde. Diretrizes para estruturação de farmácias no âmbito do Sistema Único de Saúde. Brasília, 2009b. Disponível em: . Acesso em: 7 jun. 2017.

BRASIL. Ministério do Trabalho. Classificação Brasileira de Ocupações . Acesso em: 07 de mar. 2019.

CAMILLO, Eliane Juraski. A qualidade "de dentro" na/da pesquisa qualitativa em Educação do Sul do Brasil. Educar em Revista, Curitiba, v. 33, n. 65, p. 137-48, 2017.

CINTRA, Mariana Simões Ferreira. A importância da família, escola e pares no processo de escolha pelo ensino médio técnico. 2014. 121 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2014.

CONSELHO FEDERAL DE FARMÁCIA (Brasil). Nota Técnica: perguntas e respostas referentes às Resoluções do CFF nº 585 e nº 586, de 29 de agosto de 2013. Brasília, 2013.

CORRAL, Florentina Santos Diez Del; SOUZA, Mirabeau Levi Alves de; NEGRÃO, Odulia Leboreiro. Do boticário ao farmacêutico: o ensino de farmácia na Bahia de 1815 a 1949. Salvador: EDUFBA, 2009.

CORRER, Cassyano Januário; OTUKI, Michel Fleith (Org.). A prática farmacêutica na farmácia comunitária. Porto Alegre: Artmed, 2013.

CORRER, Cassyano Januário; PONTAROLO, Roberto; RIBEIRO, Alyne Simon de Carvalho. A farmácia comunitária no Brasil. In: CORRER, Cassyano Januário; OTUKI, Michel Fleith (Org.). A prática farmacêutica na farmácia comunitária. Porto Alegre: Artmed, 2013. p. 3-26.

DIAS, Reinaldo; MATOS, Fernanda. Políticas públicas: princípios, propósitos e processos. São Paulo: Atlas, 2012.

EDLER, Flavio Coelho. Boticas & Pharmacias: uma história ilustrada da farmácia no Brasil. Rio de Janeiro: Casa da Palavra, 2006.

GONÇALVES, Ana Maria Rosa Freato. A importância da educação formal para a dispensação de medicamentos: um estudo transversal. 2017. 177 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Farmacêuticas) – Faculdade de Ciências Farmacêuticas, Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2017.

GONÇALVES FILHO, José Moura, Humilhação social: um problema político em psicologia. Psicologia USP, São Paulo, v. 9, n. 2, p.11-67, 1998.

GRECO, Maria Cecília Machado. O curso técnico em farmácia na ETSUS-SP: contribuições para o debate. 2009. 137 f. Dissertação (Mestrado Profissional em Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde) – Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Rio de Janeiro, 2009.

JOHNSTON, Mike et al. The pharmacy technician foundations and practies. Upper saddle river: New Jersey, 2009.

MARIN, Nelly et. al (Org.). Assistência farmacêutica para gerentes municipais. Rio de Janeiro: OPAS/OMS, 2003.

MARINI, Danyelle Cristine. FERREIRA, Luis Marcos. Ética voltada para o curso de formação de farmacêuticos. In: BRASIL. Brasil. Conselho Regional de Farmácia do Estado de São Paulo. Ensino de deontologia e legislação farmacêutica: conceitos e práticas. São Paulo: CRFSP, 2014. p. 9-15.

MELO, Daniela Oliveira de et al. Capacitação e intervenções de técnicos de farmácia na dispensação de medicamentos em Atenção Primária à Saúde. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 22, n. 1, p. 261-8, 2017.

MERHY, Emerson Elias. Saúde: a cartografia do trabalho vivo em ato. São Paulo: Editora Hucitec, 2002.

NAVES, Janeth de Oliveira Silva; MERCHAN-HAMANN, Edgar; SILVER, Lynn Dee. Orientação farmacêutica para DST: uma proposta de sistematização. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 10, p. 1005-14, 2005.

PEREIRA, Sandra. Profissão técnico em Farmácia. Revista Poli Saúde educação trabalho, v. 1, n. 5, p. 22-3, maio/jun., 2009.

PERINI. Edson. Assistência farmacêutica: fundamentos teóricos e conceituais. In: ACURCIO, Francisco de Assis. Medicamentos e Assistência Farmacêutica. Belo Horizonte: Coopmed, 2003.

POLYDORO, Soely Aparecida Jorge; PRIMI, Ricardo. Integração ao ensino superior: explorando sua relação com características de personalidade e envolvimento acadêmico. In: MERCURI, Elizabeth (Org.). Estudante Universitário: características e experiências de formação. Taubaté: Cabral Editora e Livraria Universitária, 2003. p. 41-66.

PRIMI, Ricardo et al. Desenvolvimento de um inventário de levantamento das dificuldades da decisão profissional. Psicologia: reflexão e crítica [online], v. 13, n. 3, p.451-63, 2000. Disponível em: . Acesso em: 12 dez. 2018.

PRONKO, Marcela et al. A formação de trabalhadores técnicos em saúde no Brasil e no Mercosul. Rio de Janeiro: EPSJV, 2011.

SAMPIERI, Roberto Hernández; COLLADO, Carlos Fernández; LUCIO, María Del Pilar Baptista. Metodologia de pesquisa. São Paulo: MacGrawHill, 2015.

SANTOS, Manoel Roberto da Cruz. Profissão farmacêutica no Brasil: história, ideologia e ensino. Ribeirão Preto: Ed. Holos, 1999.

STEPHANELLI, Lásaro Linhares. Técnicos em farmácia em atividades de assistência farmacêutica na atenção básica à saúde do Sistema Único de Saúde: formas de inserção e participação. 2015. 94 f. Dissertação (Mestrado Profissional em Educação Profissional em Saúde) – Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio, Fundação Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro, 2015.

VELLOSO, Verônica Pimenta. Farmácia na Corte Imperial (1851 – 1887): práticas e saberes. 2007. 345 f. Tese (Doutorado em História das Ciências em Saúde) – Fundação Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro, 2007.




DOI: https://doi.org/10.21576/pa.2019v17i3.1103

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Sebastião Gonçalves de Barros Neto, Alexandre Jacob

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Compartilhar igual 4.0 Internacional.