AS CONCEPÇÕES EMBASADORAS DA FORMAÇÃO CONTINUADA NOS ANOS FINAIS DA REDE PÚBLICA DE ENSINO DO DISTRITO FEDERAL

Thiago Gonçalves Ferreira do Nascimento

Resumo


o presente artigo tem como objetivo identificar quais as concepções epistemológicas, assim como as visões de homem, mundo, educação e sociedade que embasam a formação continuada nos anos finais da rede pública de ensino do Distrito Federal. Para tanto, debate os principais conceitos que têm embasado os projetos de formação docente ao longo dos anos, como, por exemplo, o referencial do professor pesquisador/reflexivo, o desenvolvimento profissional docente, a epistemologia da prática e a epistemologia da práxis, e analisa as concepções presentes nos documentos oficiais que embasam a formação continuada na etapa dos anos finais, em especial, as Diretrizes Pedagógicas para a Organização Escolar do 3º Ciclo para as Aprendizagens e as recém lançadas Diretrizes de Formação Continuada da Secretaria de Estado de Educação do Distrito Federal. Para realizar o debate, utiliza como referencial teórico os construtos de Santos (2010), Alvarado-Prada, Freitas e Freitas (2010), Alferes e Mainardes (2011), Curado Silva (2008, 2011 e 2018), entre outros.


Texto completo:

PDF

Referências


ALFERES, Marcia Aparecida.; MAINARDES, Jefferson. A formação continuada de professores no Brasil. Seminário de Pesquisa. Universidade Federal de Maringá, 2011.

ALVARADO-PRADA, L. E.; FREITAS, T. C.; FREITAS, C. A. Formação continuada de professores: alguns conceitos, interesses, necessidades e propostas. Revista Diálogo Educação, Curitiba, v. 10, n. 30, p. 367-387, 2010.

BRANSFORD, J.; DERRY, S.; BERLINER, D. & HAMMERNESS, K. (2005). Theories of learning and their

roles in teaching. In L. Darling‑Hammond & J. Bransford (eds.), Preparing teachers for a changing world. S. Francisco: Jossey Bass, pp. 40‑87.

BEREITER, C. & SCARDAMALIA, M. (1986). Educational relevance of the study of expertise. Interchange, 17, 2, pp. 10‑19.

CURADO SILVA, Kátia Augusta Pinheiro Cordeiro da. Professores com formação stricto sensu e o desenvolvimento da pesquisa na educação básica da rede pública de Goiânia: realidade, entraves e possibilidades. 2008. 292f. Tese de doutorado (Programa de Pós- Graduação em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2008. p. 90-134.

CURADO SILVA, Kátia Augusta Pinheiro Cordeiro da. A formação de professores na perspectiva crítico-emancipadora. Revista Linhas Críticas, vol.17, nº 32. Brasília: Universidade de Brasília/FE. 2011.

CURADO SILVA PINHEIRO CORDEIRO, Kátia Augusta. Epistemologia da práxis na formação de professores: perspectiva crítica emancipadora. Perspectiva, Florianópolis, v. 36, n. 1, p. 330-350, abr. 2018. ISSN 2175-795X. Disponível em: . Acesso em: 17 jul. 2018. doi:https://doi.org/10.5007/2175-795X.2018v36n1p330.

DAY, Christopher. Desenvolvimento profissional de professores – os desafios da aprendizagem permanente. Tradução Maria Assunção Flores. Porto: Porto Editora, 2001. (Coleção Currículo, Políticas e Práticas).

DISTRITO FEDERAL. Secretaria de Estado de Educação. Diretrizes Pedagógicas para Organização Escolar do 3º Ciclo para as Aprendizagens. Distrito Federal: Secretaria de Estado de Educação, 2014.

DISTRITO FEDERAL. Secretaria de Estado de Educação. Diretrizes de Formação Continuada. Distrito Federal: Secretaria de Estado de Educação, 2018.

ELLIOT, J. Recolocando a pesquisa-ação em seu lugar próprio e original. In: GERALDI, Corinta M.G.; FIORENTINI, Dario; PEREIRA, Elisabete M de A (Orgs). Cartografias do trabalho docente: professor (a) pesquisador(a). Campinas: Mercado das Letras-ALB, 1998. p.307-333.

FUENTES, R. C.; FERREIRA, L. S. Trabalho pedagógico: dimensões e possibilidade de práxis pedagógica. PERSPECTIVA, Florianópolis, v. 35, n. 3, p. 722-7337, jul/set. 2017.

FULLAN, M. (1990). Inovação em Desenvolvimento Pessoal e Desenvolvimento Institucional. In: B. Joyce (org.), Cultura Escolar Através do Desenvolvimento Pessoal. Virginia: ASCD, p. 3-25.

GIROUX. Henry. Os professores como intelectuais: rumo a uma pedagogia crítica. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997, p 157-164.

HEIDEMAN, C. (1990). Introduction to staff development. In P. Burke et al. (eds.), Programming for staff development. London: Falmer Press, pp. 3‑9.

MARCELO, Carlos. Desenvolvimento Profissional Docente: passado e futuro. Sísifo. Revista de Ciências da Educação, 08, pp. 7-22. 2009.

NÓVOA, Antonio (Org.) Profissão professor. 2. ed. Porto, Portugal: Porto. 1995.

ROLDÃO. Maria do Céu. Função docente: natureza e construção do conhecimento profissional. In: Revista Brasileira de Educação. V. 12, n.34 jan/abr. 2007.

SANTOS, Edlamar Oliveira dos. A Formação continuada na rede municipal de ensino do Recife: concepções e práticas de uma política em construção. Tese. Recife: PPGE UFP, 2010, p. 62-88.

SAVIANI, D. Pedagogia histórico-crítica: primeiras aproximações. 8. ed. Campinas: Autores Associados, 2003.

SCHON, Donald. Educando o profissional reflexivo – um novo design para o ensino e a aprendizagem. Porto Alegre: Artes Médicas, 2000.

SPARKS, D. & LOUCKS‑HORSLEY, S. (1990). Models of Staff Development. In W. R. Houston (ed.), Handbook of Research on Teacher Education. New York: McMillan Pub., pp. 234‑251.

TARDIF, Maurice. Saberes docentes e formação profissional. Petrópolis-Rj: Vozes, 2002.

VAZQUEZ. Adolfo Sanches. Filosofia da Práxis. Buenos Aires: CLASCO, 2011.

Villegas‑Reimers, E. (2003). Teacher Professional Development: an international review of literature. Paris: UNESCO/International Institute for Educational Planning.

ZEICKNER , K. Para além da divisão entre professor-pesquisador e professor acadêmico. In:GERALDJ, Corinta M. G., FIORENTINI, Dario, e PEREIRA, Elisabete M. de A. Cartografias do Trabalho Docente. Campinas-SP: Mercado das Letras, 1998, p. 207-231.




DOI: https://doi.org/10.21576/pa.2020v18i2.1882

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Thiago Gonçalves Ferreira do Nascimento

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Compartilhar igual 4.0 Internacional.