AVALIAÇÃO SEXUAL E REPRODUTIVA DE MULHERES DA ZONA RURAL DE UMA CIDADE DO NORDESTE DE MINAS GERAIS

Patrícia Brandão Amorim, Daniel Rodrigues Silva, Herli de Souza Carvalho

Resumo


A saúde brasileira precisa vencer paradigmas para se consolidar como referência no mundo globalizado, e a saúde reprodutiva é muito importante nesta conquista. O estudo foi realizado com 186 mulheres,onde 36% delas engravidaram na adolescência,a última gestação não foi planejada em 68% dos casos, e destas, 59% não utilizaram método anticoncepcional, 18% utilizaram erroneamente e 23% não tinha nenhuma informação sobre contracepção. Os métodos mais utilizados foram os anti concepcionais de via oral 41%, e a ligadura tubária em 49%, destas, 20% desconhecem o que é doença sexualmente transmissível. Somente 59% da população procuram preservativos e anticoncepcionais no setor público. O objetivo do estudo é verificar como é a assistência à saúde sexual e reprodutiva de mulheres na Estratégia de Saúde da Família (ESF) de zona rural do nordeste de Minas Gerais.


Palavras-chave


Direitos reprodutivos, Políticas públicas e Mulheres rurais.

Texto completo:

PDF

Referências


BARDIN, L. Análise de conteúdo.2. ed. Lisboa: edições 70, 1997.

BRASIL. Ministério da Saúde. 20 ANOS de pesquisas sobre aborto no Brasil. Brasília: Ministério da Saúde, 2009.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Manual de Atenção à Mulher no Climatério/Menopausa. Brasília: Ministério da Saúde, 2008.

BRASIL, Ministério da Saúde, Instituto Nacional de Câncer. Ações de enfermagem para o controle do câncer: uma proposta de integração ensino-serviço. 2. ed. Rio de Janeiro: 2002.

BRITO, G.E.G.; MENDES, A.C.G.; SANTOS NETO, P.M. O objeto de trabalho na Estratégia Saúde da Família. Interface (Botucatu) [online]. 2018, vol.22, n.64, pp.77-86. Epub 20-Jul-2017.

CARVALHO, E.C., TONANI, M., BARBOSA, J.S. Ações de enfermagem para combate ao câncer desenvolvidas em unidades básicas de saúde de um município do estado de São Paulo. Revista Brasileira de Cancerologia, Rio de Janeiro , v.51, n.4 , p.297-303, out. 2005.

DISTRITO FEDERAL. Saúde alerta para necessidade do exame Papanicolaou. Secretária do Estado de Saúde do Distrito, 2006. Disponível em: Acesso em: 26 abr.2017.

FERREIRA, M.L.S. Motivos que influenciam a não-realização do exame de papanicolaou segundo a percepção de mulheres. Esc Anna Nery Rev Enferm. abr-jun; v. 13, n.2, p. 378-84 2009. Disponível em: < http://www.eean.ufrj.br/revista_enf/20092/artigo%2018.pdf>, acesso em: 23 abr. 2017.

GARCIA, S; KOYAMA, M., Longevidade sexual e práticas sexuais desprotegidas: desafios para a promoção da saúde sexual e reprodutiva das mulheres. In: BRASIL. Ministério da Saúde. Pesquisa nacional de demografia e saúde da criança e da mulher PNDS 2006: dimensões do processo reprodutivo e da saúde da criança. Brasília: Ministério da Saúde, 2009. 298 p. (Série G. Estatística e informação em saúde).

LIMA SL. Saúde da mulher: a reformulação das práticas. Disponível em: f. Acesso em: 01 fev. 2017.

MARQUES, MLF; OLIVEIRA C. Conhecimento e significado para funcionárias de indústrias têxteis sobre prevenção do câncer do colo-uterino e detecção precoce do câncer da mama. Revista Brasileira de Cancerologia 2006, v. 52, v.1, p. 5-15. Disponível em: < http://www.inca.gov.br/rbc/n_52/v01/pdf/artigo1.pdf> Acesso em: 07 de mar., 2017.

OLIVEIRA, A K P; BORGES D.F. Programa de Saúde da Família: uma avaliação de efetividade com base na percepção de usuários. Revista de Administração Pública, Rio de Janeiro v.42, n.2 , p. 369-389, mar. 2008.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. Prevenção da violência sexual e da violência pelo parceiro íntimo contra a mulher: ação e produção de evidência. Genebra: OMS; 2012.

PEREIRA, A.L. Programas de atenção à saúde. In: FIGUEIREDO, N. M. A. Ensinando a cuidar em saúde pública. São Paulo: Uendis Editora, 2005 (Práticas de enfermagem).

SILVA, RM. Realização do autoexame das mamas por profissionais de enfermagem. Rev. esc. enferm. USP v. 43 n.4, São Paulo, Dec. 2009. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0080-62342009000400023&script=sci_arttext>, acesso em: 20 maio 2017.

TEIXEIRA, GA; JOVANKA, C; BITTENCOURT, LS; ALESSANDRA, VM; ALVES, PC; MORAIS, TR. Características maternas de partos prematuros. Revista Enfermagem Atual, 2018; 82; Ano 17 - Nº 81 - Abril / Maio / Junho – 2017

VIANA, R.B; CANDIDO, P.H; CAVALCANTI, G.S; COROPES, V.B.A; SANTOS, P.C.L. Dilemas da maternidade das mulheres contemporâneas: revisão integrativa. Revista Enfermagem Atual, 2018; 85; a. 18, n. 85, abr./jul., 2018.

VILLELA, WV; PINTO, VM. Atenção às DST em mulheres. In: Brasil. Presidência da República. Secretaria de Políticas para as Mulheres. Rumos para Cairo + 20: compromissos do governo brasileiro com a plataforma da conferência internacional sobre população e desenvolvimento. Brasília: Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres, 2010.

ZOBOLI, ELCP; SANTOS, DVl; SCHVEITZER, MC. Pacientes difíceis na atenção primária à saúde: entre o cuidado e o ordenamento. Interface (Botucatu) [online]. 2016, vol.20, n.59, pp.893-903. Epub 13-Maio-2016.




DOI: https://doi.org/10.21576/pa.2019v17i3.714

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Daniel Rodrigues Silva

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Compartilhar igual 4.0 Internacional.