NEURITE ÓPTICA COMO MANIFESTAÇÃO DE DOENÇAS DESMIELINIZANTES E A DIFICULDADE DE IDENTIFICAÇÃO CAUSAL: RELATO DE CASO

Guilherme Vieira Borchio Ribeiro, Elis de Oliveira Campos Paiva Mol, Vinícius Pedro Almeida Valentim

Resumo


A neurite óptica é a causa mais comum de perda visual em adultos jovens, tendo em vista este fato, a realização do diagnóstico, além da determinação da causa desta afecção é de grande importância para o manejo clinico da doença. A esclerose múltipla e a neuromielite óptica são as principais causas desmielinizantes desta doença, e a distinção entre ambas se mostra muito difícil. Dentre as demais causas podem ser citadas as inflamatórias infecciosas e inflamatórias autoimunes. Este artigo relata um caso, no qual há o acometimento da paciente por uma neurite óptica de causa desconhecida, sendo assim classificada como idiopática, porém a taxa de conversão de neurite óptica para esclerose múltipla para mulheres foi estimada em 13,9% e para homens em 7,7% e por isso deve ser tratada adequadamente para prevenir uma possível conversão. Pode-se concluir que o desenvolvimento de técnicas diagnósticas como exames laboratoriais e de imagem, juntamente com a utilização de critérios clínicos como o de McDonald e o de Barkhoff, facilitou a realização de tais diagnósticos.


Palavras-chave


Neurite Óptica; Esclerose Múltipla; Neuromielite Óptica; Diagnóstico.

Texto completo:

PDF

Referências


ALVAREZ, C.; MACÊDO, P. J. O. M.; AFONSO, C. Esclerose múltipla pseudotumoral: relato de caso e revisão de literatura. Revista Brasileira de Neurologia, v. 53, n. 1, p.38-41, 2017. Acesso em 20 de maio de 2017. Disponível em: .

BRASIL NETO, J. P.; TAKAYANAGUI, O. M. Tratado de Neurologia da Academia Brasileira de Neurologia. 1 ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2013

CHEN, H. et al Clinical Features of Patients with Multiple Sclerosis and Neuromyelitis Optica Spectrum Disorders. Chinese Medical Journal, v. 129, n. 17, p. 2079-2084, 2016. Acesso em 20 de maio de 2017. Disponível em: .

FROTA, E. R. C. et al. Recomendações no tratamento da esclerose múltipla e neuromielite óptica. Academia Brasileira de Neurologia. 2 ed. São Paulo: OMNIFARMA, 2016. Acesso em 20 de maio de 2017. Disponível em:

GOLDMAN, l.; SCHAFER, A. I. Cecil Medicina. 24 ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2014.

HENRIQUES, J. G. B. Manual de Neuroanatomia Clínica. 1 ed. Belo Horizonte: Rona, 2014

LOPES, A. C. Tratado de Clínica Médica, volume 1. 3 ed. Rio de Janeiro: Roca, 2016

MACHADO, A. B. M.; HAERTEL, L. M. Neuroanatomia Funcional. 3 ed. São Paulo: Atheneu, 2014

PEIXOTO, I. et al. Doença de Devic. Acta. Médica Portuguesa, Coimbra, v. 23, n. 2, p. 263-266, 2010. Acesso em 20 de maio de 2017. Disponível em: .

POLMAN, C. H. et al. Diagnóstic Criteria for Multiple Sclerosis: 2005 revisions to the McDonald Criteria. Annals of Neurology, v. 58, n. 6, p. 840-846, 2005. Acesso em 20 de maio de 2017. Disponível em: .

SIBINELLI, M. A. M. F. et al. Manifestacões oculares em pacientes com esclerose múltipla em São Paulo. Arquivos Brasileiros de Oftalmologia, v. 63, n.4, p. 287-291, 2000. Acesso em 20 de maio de 2017. Disponível em: .

SON, D. Y. et al. Initial Pattern of Optic Nerve Enhancement in Korean Patients with Unilateral Optic Neuritis. Korean J Ophthalmological, v. 31, n. 1, p. 71-79, 2017. Acesso em 20 de maio de 2017. Disponível em: .




DOI: https://doi.org/10.21576/pa.2019v17i3.871

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Guilherme Vieira Borchio Ribeiro, Elis de Oliveira Campos Paiva Mol, Vinícius Pedro Almeida Valentim

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Compartilhar igual 4.0 Internacional.