TRANSTORNO DO DÉFICIT DE ATENÇÃO E HIPERATIVIDADE (TDAH) NA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA: ABORDAGEM CLÍNICA E TERAPÊUTICA

Caroline Partata Bittencourt

Resumo


O transtorno do déficit de atenção e hiperatividade (TDAH) é um dos agravos da saúde da criança e do adolescente que mais interferem no desenvolvimento psicomotor. É caracterizado por desatenção com ou sem hiperatividade-impulsividade. A dificuldade no diagnóstico do transtorno se torna um problema de ordem social, familiar e escolar. Mesmo que vários motivos possam ser defendidos para esclarecer essa situação, é interessante que o profissional da área da saúde que atende crianças e adolescentes esteja em alerta para o diagnóstico, orientando estes e seus familiares de uma maneira adequada, recomendando métodos e fármacos específicos. Essa pesquisa teve como objetivos estudar o TDAH na infância e adolescência, revisar as características desse transtorno, apresentar as terapias utilizadas para seu tratamento e evidenciar as principais reações adversas causadas pela farmacoterapia. O estudo se trata de uma revisão literária, onde foram selecionadas como fonte de pesquisa, livros, artigos científicos e outras publicações de relevância relacionadas ao tema, dando preferência às mais atualizadas. Observou-se que dentre as terapias utilizadas para o tratamento do TDAH, destacam-se o manejo educacional para pais e familiares, a terapêutica comportamental e a farmacoterapia, que juntas levam a um excelente prognóstico. Com relação à farmacoterapia, o metilfenidato foi a droga de escolha mais ressaltada para o tratamento medicamentoso deste transtorno. Os efeitos adversos mais comuns da droga incluem cefaleia, epigastralgia, náuseas e insônia. Algumas crianças experimentaram o efeito-rebote, com o qual se tornam um pouco irritáveis e parecem estar ligeiramente hiperativas por um breve período quando termina o efeito do medicamento

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.