A INFLUÊNCIA DA IMPLANTAÇÃO DO SPED SOBRE OS RESULTADOS ECONÔMICO-FINACEIROS DAS EMPRESAS

Camila Carnielli Zuin, Farana Mariano, Monica Costa, Alex Santiago, Jonathan Borel, Josimar Samuel

Resumo


Com a inovação das tecnologias, surgiu a necessidade do governo em acompanhar o caminhar das empresas e para isso criou o SPED (Sistema Público de Escrituração Digital), que é um sistema onde, permite ao Fisco fiscalizar e aos contadores e empresas com maior facilidade, onde substitui-se o documento em papel pelo documento digital, trazendo vários impactos, como por exemplo: mudança na rotina de trabalho, melhoria na obtenção de informação e maior investimento em TI. Diante desta situação surgiu o problema: a implantação do SPED teve influência sobre os resultados econômico-financeiros declarados pelas empresas (faturamento)? Para isso foi realizado um estudo descritivo, de técnica documental no site da Bovespa no setor financeiro com segmento em exploração de imóveis, analisando as 10 primeiras empresas listadas neste segmento, e por fim verificar se houve ou não influência do SPED sobre os resultados econômico-financeiros. Os resultados encontrados na análise dos índices de rentabilidade nos levam de certa forma a concluir que cerca de 80% das empresas aqui analisadas, nos anos de 2011 e 2012 tiveram aumento de aproximadamente 3% a 10%, tendo cerca de 20% das empresas apresentaram índices com porcentagem menor, girando em torno de 1% a 2%, onde permite concluir que a implantação do SPED, assim como outros fatores  influenciou nos lucros das empresas descritas no trabalho.

Texto completo:

PDF

Referências


REFERÊNCIAS

AZEVEDO, Osmar Reis; MARIANO, Paulo Antonio. SPED: Sistema Público de Escrituração Digital. 3ª Edição, São Paulo, IOB, 2011. Acesso em: 11 de agosto de 2018

ALCANTARA, João Deyson Marques de. Informática na profissão contábil: a ferramenta do Sped nas obrigações contábeis.2014. Monografia – Universidade Estadual de Paraíba – Poeta Pinto do Monteiro Centro de Ciências Humanas e Exatas Curso de Ciências Contábeis. Acesso em 15 de setembro de 2018.

BOVESPA, 2019. Empresas listadas, setor de exploração de imóveis. Disponível em: http://www.b3.com.br/pt_br/produtos-e-servicos/negociacao/renda-variavel/empresas-listadas.htm. Acesso em 15 de abril de 2019.

DAMIÃO, da Silva Cristiano. O impacto nos serviços prestados pelos escritórios de contabilidade da cidade de Presidente Médici – RO com o advento do SPED. 2013, trabalho de conclusão de curso – Fundação Universidade Federal De Rondônia – UNIR. Acesso em: 05 de novembro de 2018.

DOCOMAIN, Pedro Roberto. Crimes contra a ordem tributária. Florianópolis: Obra Jurídica, 1994. Acesso em 08 de agosto de 2018.

DUARTE, Roberto Dias. Big Brother Fiscal III: o Brasil na Era do Conhecimento: como a certificação digital, SPED, e NF-e estão transformando a gestão empresarial no Brasil. 3. ed. São Paulo, 2009. Acesso em 08 de agosto de 2018.

FONSECA, J. J. S.Metodologia da pesquisa científica. Fortaleza: UEC, 2002. Apostila. Acesso em 07 de novembro de 2018.

GIL, Antonio Carlos. Como Elaborar Projetos de Pesquisa.2016, 5° edição, Editora Atlas S.A. acesso em 07 de novembro de 2018.

GOMES, Fernando, Contabilidade e sua evolução na era digital: um estudo nos escritórios contábeis da cidade de pimenta bueno – RO. 2017, trabalho de conclusão de curso – Fundação Universidade Federal De Rondônia – UNIR. Acesso em 07 de setembro de 2018.

HENRIQUE, Nilton da Silva. ARRECADAÇÃO BRASILEIRA PÓS-SPED: A EFICÁCIA DA FISCALIZAÇÃO ELETRÔNICA. 2012. Trabalho de conclusão de curso – Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado – FECAP. Acesso em 07 de setembro de 2018.

IUDÍCIBUS, Sérgio de; MARION, José Carlos. Introdução a teoria da contabilidade. 4.ed. São Paulo: Atlas, 2008. Acesso em 31 de julho de 2018.

LIMA, et al. Contribuição à análise da redução nos custos de conformidade tributaria e os investimentos no sistema público de escrituração digital – SPED no brasil. 2016. Trabalho de conclusão de curso – Pontifica Universidade Catolica de São Paulo. Acesso em 02 de junho de 2019.

MAHLE, Marciane Maria; SANTANA, Alex Fabiano Bertollo. Sistema público de escrituração digital - SPED: um estudo nos escritórios de contabilidade no município de Pinhalzinho/SC. Revista Catarinense da Ciência Contábil. Florianópolis, ano 2009, v. 8, n. 23, p.73-92. Disponível em: . Acesso em 01 de agosto de 2018.

PEGAS, Paulo Henrique. Manual da Contabilidade Tributária: teoria e prática. Rio de Janeiro: Freitas e Bastos, 2003. Acesso em 07 de setembro de 2018.

RFB, 2012. Receita Federal do Brasil. Sistema Público de Escrituração Digital. Disponível em: . Acesso em 07 de setembro de 2018.

RFB,2007. Receita Federal do Brasil. A Sonegação Fiscal e a Corrupção. Disponível em: . Acesso em 08 de setembro de 2018.

RFB,2017. Receita Federal do Brasil. SPED. Disponível em: . Acesso em 08 de setembro de 2018.

SASSO, Alexandra; ROSA, Ivana Carla da.O SPED e seus reflexos na profissão contábil. 2011. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Ciências Contábeis) – Faculdade Estadual de Ciências e Letras de Campo Mourão - Fecilcam. Campo Mourão. Acesso em 15 de setembro de 2018.

SILVA, A.F. et al.SPED Sistema Público de Escrituração Digital: influência nos resultados econômico-financeiros declarados pelas empresas.2013. Revista Brasileira de Gestão de Negócios – RBGN. Acesso em 10 de outubro de 2018.

SIQUEIRA, Marcelo Lettieri; RAMOS, S. Francisco. A economia da sonegação: teorias e evidências empíricas. 2005. Revista de Economia Contemporânea – REC. Acesso em 01 de outubro de 2018.

TOTVS, blog 2018. Desvendando o eSocial e os impactos para sua empresa. https://www.totvs.com/blog/desvendando-o-esocial-e-os-impactos-para-sua-empresa/. Acesso em 02/11/18. Acesso em 01 de setembro de 2018.

.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.