RELATO DE CASO: ESFEROCITOSE HEREDITÁRIA

Juliana Caroline de Araújo, Arthur Oliveira Pinheiro, Larissa Alvim Mendes, Lídia Togneri Profilo, Lívia Duarte Souza, Darlei Montes Cunha

Resumo


Relato de um caso clínico de esferocitose hereditária, associado a uma revisão bibliográfica, apresentando os sinas e sintomas clínicos, o diagnóstico e o tratamento. A esferocitose hereditária trata-se de uma anemia hemolítica hereditária, resultante de modificações qualitativas e/ou quantitativas das estruturas proteicas das membranas celulares dos eritrócitos causada, provavelmente, por mutações nos genes que codificam o citoesqueleto eritroide. É reconhecida como a doença de maior prevalência e relevância clínica dentre as enfermidades das membranas eritrocitárias. O diagnóstico é dado pela avaliação dos achados clínicos e laboratoriais somados ao histórico familiar, após essa análise faz-se necessária a determinação do grau de gravidade da doença para que o tratamento seja ajustado de acordo com a necessidade apresentada pelo paciente.


Texto completo:

PDF

Referências


BOLTON‐MAGGS, P. H. B. et al. Guidelines for the diagnosis and management of hereditary spherocytosis. British journal of haematology, v. 126, n. 4, p. 455-474, 2004.

COELHO, J.C. Esplenectomia Laparoscópica. Rev.Col.Bras.Cir, v. 31, n. 3, p. 200- 203, 2004.

CUNNINGHAM, et al. Obstetrícia de Williams. 23. ed. São Paulo: Artmed, 2012.

DA CRUZ, T. C.; ANTUNES, L. Fisiopatogenia e métodos diagnósticos das anemias hemolíticas: uma revisão integrativa. Saúde e Desenvolvimento Humano, v. 6, n. 2, p. 49-61, 2018.

FERREIRA, J. S. Esferocitose hereditária da clínica à biologia molecular. 1998.

FUKUSHIMA, Y. et al. Assignment of the gene for β-spectrin (SPTB) to chromosome 14q23→ q24. 2 by in situ hybridization. Cytogenetic and Genome Research, v. 53, n. 4, p. 232-233, 1990.

MARTINS, Sara Daniela Cabete. Anemias hemolíticas: clínica diagnóstico e terapêutica: uma revisão crítica. 2014.

MARQUES, Ruy Garcia; PETROIANU, Andy. Infecção fulminante pós-esplenectomia. Arq. Gastroenterol., São Paulo, v.40, n.1, p.47-54,

MONTEIRO, A. C. B. et al. ANEMIA ESFEROCITOSE HEREDITÁRIA, UM DISTÚRBIO DA MEMBRANA DOS ERITRÓCITOS CAUSADORA DE HEMÓLISE CRÔNICA. 2016.

MIRANDA JUNIOR, J. Esplenectomia profilática, suas complicações, riscos e benefícios em pacientes portadores de esferocitose hereditária. Revista UNIPLAC, v. 4, n. 1, 2016.

MOURA, B. et al. Associação entre eliptocitose e esferocitose hereditária em um idoso. Revista de Medicina, v. 98, n. 3, p. 234-237, 2019.

PALEK, J.; LUX, S. E. Red cell membrane skeletal defects in hereditary and acquired hemolytic anemias. In: Seminars in hematology. 1983. p. 189.

CAVALCANTI, A. S. Protocolos de Tratamento: hematologia e hemoterapia/ Instituto Estadual de Hematologia, 2 Ed., Rio de Janeiro: HEMORIO, 2014.

RODGERS, G. P.; YOUNG, N. S. Manual Bethesda de hematologia clínica. Thieme Revinter Publicações LTDA, 2018.

SANTOS, V. R. Estudo de exames laboratoriais para diagnóstico e acompanhamento de esferocitose hereditária. 2015.

SILVA, A. G. Prevalência de anemias nos pacientes atendidos pelo LAPAC no período de 2016 a 2017. 2018. 44 f. Monografia (Graduação em Farmácia) - Escola de Farmácia, Universidade Federal de Ouro Preto, Ouro Preto, 2018.

SOARES, S. et al. Esferocitose hereditária. Esplenectomia e colecistectomia. Experiência de um hospital pediátrico. Nascer e Crescer, v. 18, n. 18 (2), p. 73-77, 2009.

SOUSA, M.; TRINDADE, S. L.; GONDIM, H.; SANTOS, A.; BRITO, J.; SOUZA, N.; CAPUTO, L. A relevância da reticulocitose na classificação da esferocitose hereditária. Revista de Medicina, v. 97, n. 5, p. 498-503, 28 dez. 2018.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.