SÁCULO CONGÊNITO DO ÍLEO DISTAL: UMA REVISÃO LITERÁRIA.

Larissa Alvim Mendes, Amanda Sores de Carvalho Barbosa, Rafaela Ferreira Gomes, Célio Roberto Coutinho Mendes, Renata Alvim Mendes, Sérgio Alvim Leite

Resumo


Resumo: O Divertículo de Meckel é a formação de um saco ou sáculo congênito do íleo distal que ocorre em 2 a 3% dos indivíduos. Em geral, localiza-se cerca de 30 a 150 cm da válvula ileocecal e pode conter tecido ectópico gástrico ou pancreático. O objetivo desse artigo foi precaver a classe médica sobre a importância do diagnóstico correto do abdômen agudo acarretado por divertículo de Meckel, evitando complicações. Trata se de uma revisão bibliográfica que utilizou se de trabalhos acadêmicos entre o período de 2002 a 2017. As pesquisas foram realizadas em língua portuguesa, inglesa e espanhola nas bases de pesquisa Google Acadêmico e Scientific Electronic Library Online (SCIELO). Os sintomas são dor abdominal e desconforto, tipicamente localizados abaixo ou à esquerda do umbigo. É usualmente seguida por vômitos, sendo similar à apendicite. O diagnóstico não é tão fácil. O tratamento consiste em ressecção cirúrgica. E os divertículos pequenos e assintomáticos encontrados acidentalmente durante laparotomia não precisam ser removidos.


Texto completo:

PDF

Referências


ARAÚJO, Luciana Mendes, ARAÚJO, Fernanda Mendes; ALVES, Ana Carolina Silva; MONTEIRO, Ana Cecília Ferreira; PAULA, Brenda Costa de; XAVIER, Déborah Suzane Silveira; ALVES, Érika Viviane Soares; SEZKO, Isabela Aguiar.Divertículo de Meckel: revisão de literatura. REVISTA MÉDICA DE MINAS GERAIS, v. 24, n. 1, p. 90-94, 2014. Disponível em: /rmmg.org/artigo/detalhes/607>.Acesso em: 07 out. 2017.

AZEVEDO, Aléxia de Souza; AZEVEDO, Alexandre Edson de. Divertículo de Meckel - relato de caso e revisão bibliográfica. REVISTA REDE CUIDADOS EM SAÚDE. V. 11, n.2 (2017). Disponível em: Acesso em 18 de jan. 2018.

BRAGA, Joana da Silva; BERNARDES, Antônio José Silva. Divertículo de Meckel: revisão e análise retrospectiva de uma casuística de 64 doentes operados. FMUC MEDICINA - TESES DE MESTRADO. 2015. Disponível em: Acesso em: 08 nov 2017.

BRASIO, R.; MALAQUIAS,R.; GIL, I.; RAMA, N.; FERRAZ, S.; FARIA, V.. Divertículo de Meckel - Um caso de hemorragia digestiva baixa. REVISTA PORTUGUESA DE COLOPROCTOLOGIA. Jan/Abr 2015. Disponível em: . Acesso em: 07 out. 2017.

FERES, Omar; PARRA Rogério Serafim. Abdômen agudo. REVISTA MÉDICA DE RIBERÃO PRETO. 2008;41(4):430-6. Disponível em: Acesso em: 18 de jan. 2018.

FONSECA, J. J. S. Metodologia da pesquisa científica. Fortaleza: UEC, 2002. Apostila

GERARDTH, Tatiana; SILVEIRA, Denise. Métodos de pesquisa. 1. ed. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2009.

SILVA NETO, José Fernandes da. Abdômen agudo obstrutivo em mulher jovem por divertículo de meckel: relato de caso e revisão de literatura. 17 f. TCR (Residência Médica Em Cirurgia Geral– Hospital Geral De Fortaleza). Fortaleza, 2016. Disponível em:Acesso em: 18 de jan 2018.

SOBOTTA. Atlas de anatomia humana. Órgãos internos, 23 ED, GUANABARA KOOGAN, 2006

SOUSA, Catarina; COELHO, Ana; LEITAO, José Banquart e CARVALHO, Fátima. Hérnia interna: um caso raro de divertículo de Meckel. NASCER E CRESCER [ONLINE]. 2014, vol.23, suppl.3, pp.19-19. ISSN 0872-0754. Disponível em: . Acesso em: 07 out. 2017.

UNIVERSITY OF MARYLAND BALTIMORE WASHINGTON MEDICAL CENTER.Divertículo de Meckel. Disponível em: < www.mybwmc.org/library/34/100092>. Acesso em: 07 out. 2017


Apontamentos

  • Não há apontamentos.