INFORMALIDADE: O PERFIL DO TRABALHADOR AMBULANTE DE MANHUAÇU

Josemeire Aparecida Garcia, Ezequias Ferreira de Souza, Thainara Pimentel Teixeira, Maria Geralda de Miranda

Resumo


O termo informalidade é um termo abrangente e complexo. Sobre o aspecto econômico, sua complexidade levou a Organização Internacional do Trabalho (OIT) a caracterizá-lo como “economia informal” o que atribuiu a este ramo de atividade importância antes subestimada. Diante deste cenário, pode-se, então, inferir a variedade de situações vislumbradas ao se tratar do tema economia informal. A nível municipal, principalmente em se tratando de pequenos municípios, existe uma dificuldade maior em se caracterizar a informalidade. O trabalho informal não possui uma forma definida, o desejo de o parametrizar, o regrar ou mesmo doutriná-lo beira a utopia. Ao mesmo tempo em que alguns nichos nos parecem promissores, outros se mostram solícitos. Talvez seja isso a verdadeira causa do descaso em que a categoria se encontra, por parte de todos os governos, seja municipal, estadual ou federal.


Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, M. A; TAVARES, M. A. A dupla face da informalidade do trabalho: “autonomia” ou precarização. In: Ricardo Antunes (org). Riqueza e Miséria do Trabalho no Brasil. São Paulo, SP. Boitempo, 2006.

ANTUNES, R. Os sentidos do trabalho: ensaio sobre a afirmação e a negação do trabalho. 11. ed. São Paulo: Boitempo, 2009.

BRASIL. IBGE. Síntese de indicadores sociais: uma análise das condições de vida da população brasileira. Coordenação de População e Indicadores Sociais - Rio de Janeiro: IBGE, 2018. Disponível em: . Acesso em: 23 de junho 2019.

BRASIL. IBGE. IBGE Cidades. Disponível em: . Acesso em: 20 de maio de 2019.

CACCIAMALI, M. C.; FERNANDES, R. Distribuição dos trabalhadores e diferenciais de salários entre mercados de trabalho regulamentado e não regulamentado. Pesquisa e Planejamento Econômico, v. 23, n. 1, p. 135-156, 1993.

FERNANDES, R. Mercado de trabalho não-regulamentado: participação relativa e diferenciais de salários. Pesquisa e Planejamento Econômico, v. 26, n. 3, p. 417-441, 1996.

HISTÓRIA. Disponível em: < http://www.manhuacu.mg.gov.br/detalhe-da-materia/info/historia/6498>. Acesso em: 10 de maio de 2019.

MENEZES, W. F.; DEDECCA, C. S. A informalidade no mercado de trabalho brasileiro: rendimento e principais características. Revista Nexos Econômicos, v. 6, n. 2, p. 11-41, 2012.

NORONHA, E. “Informal”, ilegal, injusto: percepções do mercado de trabalho no Brasil. Red Revista Brasileira de Ciências Sociais, 2000.

ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO. O perfil dos trabalhadores e trabalhadoras na economia informal, 2010.

ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO. A economia informal e o trabalho digno: Guia de Recursos sobre as políticas, 2012.

ROCHA, L. C. S.; PELOGIO, E. A. Diagnóstico da Economia Informal em um Município de Pequeno Porte no Sul de Minas Gerais. Revista Administração em Diálogo - RAD, v. 20, n. 2, p. 19-45, 2018.

ROHM, R. H. D.; LOPES, N. F. O novo sentido do trabalho para o sujeito pós-moderno: uma abordagem crítica. Cadernos EBAPE. BR, v. 1, n. 4, p. 332-345, 2015.

SANTIAGO, C. E. P.; VASCONCELOS, A. M. N. Do catador ao doutor: um retrato da informalidade do trabalhador por conta própria no Brasil. Nova Economia, v. 27, n. 2, p. 213-246, 2017.

TANNURI-PIANTO, M. E.; PIANTO, D. Informal employment in Brazil: a choice at the top and segmentation at the bottom: a quantile regression approach. 2002. Mimeografado.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.