DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL ENTRE FEBRE MACULOSA E LEPTOSPIROSE: UM RELATO DE CASO.

Ábila Dutra Oliveira, Marina Bonifácio Gomes Laignier Nolasco, Rúbia Soares de Souza Gomes, Luiza Santiago Gomes, Mariana Grolla Guimarães, Vinícius Valentim

Resumo


Febre Maculosa é uma doença infecciosa transmitida pela picada de carrapatos, com maior incidência entre junho e outubro.  É uma doença febril e hemorrágica de notificação compulsória. Alta mortalidade é consequência do difícil diagnóstico, semelhante ao da leptospirose. Relato de caso realizado com base em entrevista com paciente e análise de prontuário, sobre provável FM. WPB, 45 anos, masculino, com quadro de prostração, artralgia, dores no corpo, sudorese e astenia, vômito, náusea, dor abdominal, icterícia e febre, evolui com exantema maculo-papular em hipocôndrio direito. Aguarda resultado de sorologias para confirmação diagnóstica. A leptospirose é uma zoonose tropical causada por espiroquetas aeróbicas, transmitida pela urina de animais reservatórios. Apresenta inicialmente cefaleia frontal, mialgia intensa, principalmente em região lombar e panturrilha, calafrios, anorexia, náusea, vomito, tosse, dor torácica, hemorragia cutânea, esplenomegalia, icterícia e febre. Diagnóstico por pesquisa específica da bactéria e anticorpos.  Na FM os sintomas iniciais são febre elevada, mialgia, prostração, cefaleia, náuseas e vômitos, que evolui com exantema maculo-papular. O diagnóstico é clínico, epidemiológico e laboratorial, ambas podem ser tratadas com doxiciclina.


Texto completo:

PDF

Referências


DEL FIOL, F.S., JUNQUEIRA, F.M., ROCHA, M.C.P., TOLEDO, M.I., BARBERATO FILHO, S. A febre maculosa no Brasil. Rev Panam Salud Publica. 2010;27(6):461–6.

FACCINI-MARTÍNEZ, Á.A., DE OLIVEIRA, S.V., JUNIOR, C.C., LABRUNA, M.B. Febre Maculosa por Rickettsia parkeri no Brasil: condutas de vigilância epidemiológica, diagnóstico e tratamento. Journal of Health & Biological Sciences. 2018; 6(3), 299-312.

BARROS-SILVA, P.M.R., PEREIRA, S.V.C., FONSECA, L.X., MANIGLIA, F.V.P., DE OLIVEIRA, S.V., DE CALDAS, E.P. Febre maculosa: uma análise epidemiológica dos registros do sistema de vigilância do Brasil. Scientia Plena, 2014;10(4 (A)).

MONTEIRO, K.J.L., ROZENTHAL, T., LEMOS, E.R.S.D., Diagnóstico diferencial entre a febre maculosa brasileira e ao dengue no contexto das doenças febris agudas. Rev Patol Trop. Vol. 43 (3): 241-250. jul.-set. 2014

MARINHO, M. Leptospirose: fatores epidemiológicos, fisiopatológicos e imunopatogênicos. Veterinária e Zootecnia, v. 15, n. 3, p. 428-434, 2012.

HÜTTNER, M.D. PEREIRA, H.C.P., TANAKA, R.M. Pneumonia por leptospirose. J Pneumol 28(4) – jul-ago de 2002

FERREIRA, T., COSTA, V.C., PEREIRA, N.G. Diretrizes para Diagnóstico e Tratamento de Leptospirose. Serviço de Doenças Infecciosas e Parasitárias do Hospital Universitário Clementino Fraga Filho, 2010.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.