OS DESDOBRAMENTOS DO HOME OFFICE DURANTE A PANDEMIA: O NOVO AMBIENTE DE TRABALHO E SUAS CONSEQUÊNCIAS

Autores

  • Giselle Leite Franklin Von Randow
  • Luiza Carla Martins da Tuler
  • Rayani Tamila de Souza Amorim Oliveira

Resumo

O presente trabalho visa abordar os desdobramentos das relações de trabalho no contexto que a pandemia do Covid-19 proporcionou a sociedade, discutindo sobre os efeitos que o home office tem causado nas pessoas, já que esta modalidade de trabalho é uma das mais eficientes quanto a tentativa de conter o contágio pelo vírus, bem como uma forma de possibilitar que muitos continuem a exercerem suas atividades, haja vista as grandes dificuldades dos empregadores e empregados de se adaptarem à nova realidade, tanto em aspectos econômicos, sociais quanto os referentes a saúde mental. Para tanto, foi desenvolvido mediante pesquisa bibliográfica, com revisão da legislação e da doutrina aplicável ao caso. Conclui-se que no ambiente do home office, embora seja o ideal diante a atualidade, este pode ocasionar diversos transtornos à saúde mental, principalmente quando ocorre o descaso à saúde por parte do empregador, prejudicando assim, ambas as partes. Nessa perspectiva, em que todos estão em fase de adaptação, a procura da melhor forma de distribuição de tarefas, contudo, deve-se atentar ao exercício de uma rotina e um bom relacionamento entre todos os envolvidos, visto que o teletrabalho, home office, continuará mesmo após pandemia, pois este ocupa um espaço de relevância no mercado de trabalho.

Referências

AGÊNCIA BRASIL. Home office foi adotado por 46% das empresas durante a pandemia. Disponível em: https://agenciabrasil.ebc.com.br/economia/noticia/2020-07/home-office-foi-adotado-por-46-das-empresas-durante. Acesso em 28 abr 2021.

ALVES, Daniela Alves de. Gestão, produção e experiência do tempo no teletrabalho. Tese (Doutorado em Sociologia) – Programa de Pós-Graduação em Sociologia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2008.

BARBOSA, Robinson Luís Duarte. O teletrabalho dentro de uma visão mais ampla da subordinação jurídica. Revista Direito e Liberdade. ISSN Eletrônico 2177-1758. Disponível em: https://core.ac.uk/download/pdf/16046868.pdf. Acesso em 14 dez 2020.

BRANCO, F.M.F.C. et al. Síndrome de burnout entre trabalhadores de uma universidade na fronteira franco brasileira. Rev Fun Care Online, v.12, p. 393-399, 2020. DOI: http://dx.doi. org/10.9789/2175-5361.rpcfo.v12.8319.

BRASIL. Lei nº 14.020, de 6 de julho de 2020. Diário Oficial da União, Brasília, 07 jul. 2020. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2019-2022/2020/Lei/L14020.htm. Acesso em: 27 abr 2021.

BRASIL. Ministério da Saúde. Doenças relacionadas ao trabalho: Manual de Procedimentos para os Serviços de Saúde. Série A. Normas e Manuais Técnicos; n. 114; Brasília/DF 2001. Disponível em: http://renastonline.ensp.fiocruz.br/recursos/doencas-relacionadas-trabalho-manual-procedimentos-os-servicos-saude. Acesso em: 01 mar de 2021.

BRASIL. Reforma Trabalhista. LEI Nº 13.467, DE 13 DE JULHO DE 2017. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2017/lei/l13467.htm. Acesso em 27 abr 2021.

BUENO, Rhaiane Aparecida Fronczak. Síndrome de Burnout: Seus Sintomas e Consequências no Âmbito Profissional e Pessoal. Ponta Grossa: Editora, 2017

DELGADO, Mauricio Godinho. Curso de Direito do Trabalho. Editora LTR, 16. ed, ano 2017.

FOLHA VITÓRIA, Jornal. Brasil é o segundo país com o maior número de pessoas afetadas pela Síndrome de Burnout. Disponível em: https://www.folhavitoria.com.br/saude/noticia/08/2020/brasil-e-o-2-pais-com-o-maior-numero-de-pessoas-com-sindrome-de-burnout. Acesso em 26 mai 2021.

GUEDES, D; GASPAR, E. “Burnout” em uma amostra de profissionais de Educação Física brasileiros. Rev Bras Educ Fís Esporte, v.30, n. 4, p.999-1010, 2016.

GONDIM, Sonia e BORGES, Livia de Oliveira. Significados e sentidos do trabalho do home-office: desafios para a regulação emocional. SBPOT, Temática 5. Disponível em: http://emotrab.ufba.br/wp-ontent/uploads/2020/05/SBPOT_TEMATICA_5_Gondim_Borges.pdf. Acesso em 10 maio 2021.

IPEA (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada). Home office concentrou 17,4% do total de rendimentos do trabalho em novembro. Disponível em: https://www.ipea.gov.br/portal/index.php?option=com_content&view=article&id=37463&catid=3&Itemid=3. Acesso em 28 abr 2021.

JORGE NETO, Francisco Ferreira; CAVALCANTE, Jouberto de Quadros Pessoa. Direito do Trabalho, 9ª edição. Grupo GEN, 2018. 9788597018974. Disponível em: https://integrada.minhabiblioteca.com.br/#/books/9788597018974/. Acesso em: 11 mai 2021.

LATORRACA, C.A.C. et al. O que as revisões sistemáticas Cochrane dizem sobre prevenção e tratamento da síndrome de burnout e estresse no trabalho. Diagn Tratamento, v.24, n. 3, p.119-25, 2019.

LIMA, F.R.B. et al. Identificação preliminar da síndrome de burnout em policiais militares. Revista Motricidade, v.14, n. 1, p.150-156, 2018.

LOSEKANN, Raquel Gonçalves Caldeira Brant; MOURÃO, Helena Cardoso. Desafios do teletrabalho na pandemia covid-19: Quando o home vira office. Disponível em: Caderno de Administração, Maringá, v.28, Ed.Esp., jun./2020.

MELLO, Álvaro. (1999). Teletrabalho (telework): O trabalho em qualquer lugar e em qualquer hora. Rio de janeiro, RJ: Qualitymark

NASSIF, Elaine. Burnout, Mobbing e outros males do stress: aspectos jurídicos e psicológicos. Revista LTR, Legislação do Trabalho, janeiro de 2006.

OIT. Convenção 177, de 20 junho de 1996. Convenio sobre el trabajo a domicilio. Ginebra, 20 jun. 1996. Disponível em:http://www.ilo.org/dyn/normlex/es/f?p=NORMLEXPUB:12100:0::NO::P12100_INSTUMENT_ID:3123. Acesso em 27 abr 2021.

ORGANIZAÇÃO PANAMERICANA DE SAÚDE/ ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE. CID: burnout é um fenômeno ocupacional. Acesso em: 23 mai 2021. Disponível em: https://www.paho.org/bra/index.php?option=com_content&view=article&id=5949:c id-burnout-e-um-fenomeno-ocupacional&Itemid=875.

PAULA, Valéria Wessel S. Rangel de. Temas polêmicos de Direito do Trabalho provocados pela pandemia. Disponível em: https://www.migalhas.com.br/coluna/migalha-trabalhista/343243/temas-polemicos-de-direito-do-trabalho-provocados-pela-pandemia. Acesso em: 28 abr 2021.

PÊGO, F.P.L; PÊGO, D.R. Síndrome de Burnout. Revista Brasileira Medicina do Trabalho, v.14, n.2, p.171-6, 2016.

PEREIRA, Ana Maria T. Benevides. Burnout quando o trabalho ameaça o bem estar do trabalhador. 4. ed. São Paulo: Casapsi, 2014.

PERNICIOTTI, P. et al. Síndrome de Burnout nos profissionais de saúde: atualização sobre definições, fatores de risco e estratégias de prevenção. Rev. Sociedade Brasileira de Psicologia Hospitalar, v.23, n.1, 2020.

PETERMAN A, Potts A, O’Donnell M, Thompson K, Shah N, Oertelt-Prigione S, et al. Pandemics and Violence Against Women and Children [Internet]. Center For Global Development; 2020. Acesso 11 maio 2021. Disponível em: https://www.cgdev.org/sites/default/files/pandemics-and-violence-against-women-and-girls.pdf

PRATT, Joanne H. (1984). Home teleworking: A study of its pioneers. Technological Forecasting and Social Change, 25(1), 1-14.

RAFALSKI, Julia Carolina; DE ANDRADE, Alexsandro Luiz. Home-Office: Aspectos Exploratórios do Trabalho a partir de Casa. Temas em Psicologia, v. 23, n. 2, p. 431-441, 2015.

RAMOS, C.E.B. et al. Impactos da Síndrome de Burnout na qualidade de vida dos profissionais de enfermagem da atenção básica à saúde. Rev Bras Ciên Saúde, v.23, n.3, p. 285-296, 2019.

RASMUSSEN, E., & CORBETT, G. (2008). ‘Why isn’t teleworking working?’ New Zealand Journal of Employment Relations, 33(2), 20-32

ROSENFIELD, Cinara L.; ALVES, Daniela Alves de. Autonomia e trabalho informacional. DADOS – Revista de Ciências Sociais, Rio de Janeiro, v. 54, n. 1, 2011a, p. 207 a 233.

SOEIRO, A. Covid-19: temas essenciais. Editora Manole, 2020. 9786555760385. Disponível em: https://integrada.minhabiblioteca.com.br/#/books/9786555760385/. Acesso em: 11 Mai 2021

Downloads

Publicado

2021-06-08

Edição

Seção

Artigos