MORTALIDADE NEONATAL POR SEPSE BACTERIANA EM MINAS GERAIS ENTRE OS ANOS DE 2010 E 2019

Juliana Caroline de Araújo

Resumo


A sepse neonatal bacteriana é uma doença que acomete recém-nascidos até os 28 dias incompletos de vida e é responsável por 60% da mortalidade em menores de um ano no Brasil. Trata-se de uma infecção disseminada que cursa com uma resposta inflamatória sistêmica, levando à uma instabilidade hemodinâmica potencialmente grave, com altas taxas de letalidade e sequelas. A doença pode ter causa pré-natal, intraparto ou pós-parto e tem como principais agentes etiológicos o Streptococcus agalactiae (Estreptococo beta hemolítico do grupo A), a Escherichia coli e o Staphylococcus aureus. Diante da gravidade associada à doença, este trabalho tem como objetivo descrever a taxa de mortalidade neonatal por sepse bacteriana no estado de Minas Gerais entre os anos de 2010 e 2019. Os dados foram obtidos por meio dos dados de Estatísticas Vitais da plataforma DataSUS. observou-se que a taxa de mortalidade nesse mesmo período está em queda, visto que era de 12,26% em 2010 e recentemente, em 2019, a taxa encontra-se em 9,5%. De acordo com os dados apresentados neste estudo, foi possível confirmar a relação direta entre prematuridade e peso ao nascer com o número de óbitos por sepse. Além disso, observou-se que tanto a sepse neonatal precoce quanto a tardia se relacionam aos cuidados pré e pós-natais e estão relacionados à qualidade do serviço prestado às gestantes e aos recém-nascidos.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.