TRATAMENTO DE GRANDE QUEIMADO COM USO DE PELE DE TILÁPIA

Lívia Duarte Souza

Resumo


A pele da tilápia do Nilo, um peixe do gênero Oreochromis niloticus, tem se mostrado um curativo biológico promissor. Os estudos que envolvem sua aplicabilidade em queimaduras demonstraram boa eficácia com relação a adesão ao leito da ferida, diminuição do tempo de cicatrização e menor risco de contaminação da lesão. O Brasil é um grande produtor de tilápia para a indústria gastronômica, sendo assim, a pele do pescado também é um material bastante disponível, com boa relação entre custo e benefício. Este trabalho é uma revisão de literatura que tem como objetivo reunir informações de estudos publicados entre os anos 2015 e 2021, sobre a aplicabilidade da pele da tilápia no tratamento de lesões extensas por queimaduras. Apesar de todos os benefícios e do crescente interesse do material pela comunidade científica, devido à sua semelhança com a pele humana, o uso da pele do animal pelos centros de grandes queimados em todo o país ainda é não é uma realidade, devido à necessidade de estudos com amostragem maior de pacientes e resultados satisfatórios para aprovação da pele da tilápia como curativo biológico oclusivo temporário em queimaduras.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.