“QUEILITE ACTÍNICA: A IMPORTÂNCIA DO DIAGNÓSTICO CLÍNICO- RELATO DE CASO”

Enza Morello de Paulo

Resumo


A queilite actínica (QA) é uma lesão de cunho inflamatório causada pela exposição crônica e prolongada à radiação solar sem proteção, considerada como uma desordem potencialmente maligna da boca por apresentar a possibilidade de transformação maligna após o seu surgimento e desenvolvimento. Homens, acima dos 45 anos de idades, de pele e olhos claros e com atividade laboral ao ar livre caracterizam um grupo de maior incidência desta alteração. Clinicamente é representada por uma heterogeneidade de manifestações como ressecamento, fissuras, edema, endurecimento, perda de delimitação do lábio, hipopigmentação, hiperpigmentação, placas brancas, placas vermelhas, crosta e/ou úlceras. Histologicamente a principal característica é a elastose solar no tecido conjuntivo, causada pela degeneração basofílica das fibras elásticas do tecido conjuntivo. Ademais apresenta epitélio estratificado escamoso de revestimento, o qual pode apresentar ou não quadros de displasia epitelial, caracterizada por uma mudança arquitetural e citológica das células variando de leve a moderada ou grave de acordo com o envolvimento do epitélio por esta atipia celular. O tecido conjuntivo ainda pode apresentar quadro inflamatório associado. Como tratamento há uma ampla gama de opções onde a mais comum é a vermelhectomia, para os casos que apresentam displasia epitelial de moderada a grave, e para os casos mais brandos é indicada o acompanhamento com a utilização de hidratante e protetor solar com fator de proteção 30 nos lábios. O objetivo deste estudo é demonstrar a importância do diagnóstico clínica e histopatológico da queilite actínica e difundir o conhecimento desta patologia para os profissionais dentistas da região com a finalidade de haver um maior entendimento e diagnósticos precoces dessa desordem associado à prevenção de casos de carcinoma de células escamosas em lábio.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.